A Curva ABC e o Planejamento de Estoque

Uma técnica muito utilizado em logística e em logística hospitalar é a Curva ABC baseada no princípio de Pareto. Segundo esse princípio, os itens significativos de um grupo normalmente representam uma pequena proporção do total de itens desse mesmo grupo. Utilizei a referida técnica no meu livro para estabelecer prioridades na escolha de tarefas a serem realizadas.

Na gestão dos estoques, esse princípio estabelece que a maior parte dos itens consumidos ou comercializados é originada por um número relativamente pequeno de produtos (SKU) , ou seja, de acordo com a teoria, pode-se dizer que 20% dos SKU eram responsáveis por cerca de 80% dos itens movimentados.

Assim a análise de um número pequeno de itens (SKU) pode otimizar em muito o planejamento e a administração dos estoques.

Nós podemos definir a divisão da seguinte forma da Curva ABC:

* Classe A – são os itens prioritários (produtos de estoque ou SKU) de maior importância, correspondem a 20% do total e representam a maioria da movimentação financeira dos estoques (acima de 60% podendo chegar a 80%).
* Classe B – são os itens intermediários (produtos de estoque ou SKU) que correspondem a 30% do total de itens e representam de 10% a 30% da movimentação financeira.
* Classe C – são os itens de menor relevância considerando o consumo ou venda (produtos de estoque ou SKU) mas que correspondem a cerca de 50% do total de produtos e representam a menor parte (10% ou menos) da movimentação financeira dos estoques.

Qual a importância de usar a técnica da Curva ABC na gestão de estoques? Imagina um armazém com 2.000 ou 10.000 itens como administrar todos eles como se tivessem a mesma relevância?

Usando a Técnica de Pareto, eu normalmente aplico os seguintes critérios:

1. na gestão de estoques que os itens principais ou “A” devem ter um planejamento bem aprimorado de forma que o consumo ou venda dure uma semana. Assim o giro anual desses itens seria muito alto (52).

2. Os itens intermediários (B) devem ter o planejamento quinzenal (26) de forma que o seu giro corresponda à metade dos itens A.

3. Finalmente os itens C devem ter um planejamento mensal (ciclos de 4 semanas) o que daria um giro anual de 12 ou 13, conforme a rotina adotada.

É necessário combinar esta técnica com ou outras. Uma das mais usadas é a Curva XYZ que classifica os itens de acordo com sua criticidade. Já que alguns itens mesmo que sejam baratos ou de baixo giro são absolutamente necessários e sua falta pode gerar perdas de vidas ou de ativos. Mas isto eu vou detalhar em outro artigo.

Existem técnicas estatísticas mais apuradas que que vão refinar o comportamento de consumo ou venda de cada item  e dar previsões mais apuradas

Se você não tem uma equipe de planejamento de demanda e necessita de resultados, a análise de Pareto pode ser um começo.

E o que este trabalho pode gerar? Um giro de estoque muito mais rápido. Cerca de 30% maior que as compras mensais.

E dá para gerar uma boa redução nos estoques, melhorando o fluxo de caixa de sua Empresa ou Instituição.

Então não fique parado! Coloque a mão na massa (de dados)! E não esqueça de compartilhar os seus resultados aqui com a gente!

Fonte: Portal Administradores e Administração do Tempo Produza Mais e Seja Feliz

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

2 comentários sobre “A Curva ABC e o Planejamento de Estoque

  1. Muito bom este artigo sobre a classificação ABC. Durante mais de cinco anos atuei na Área de Gestão de Estoques de um Complexo hospitalar na cidade de Porto Alegre, e posso atestar que realmente a classificação ABC é de extrema importância e utilizado a risca no planejamento dos materiais, tanto que como Planejador da demanda eu utilizava os períodos de reposição exatamente como estão exemplificados na sua demostração com o complemento da classificação XYZ.
    Parabéns pelos videos e textos.
    Um abraço!

Deixe um comentário