Em nova fase, Mercado Livre vai emprestar dinheiro

A companhia argentina Mercado Livre está vivendo um dos melhores momentos da história desde a fundação há quase 18 anos, bem na época da chamada “bolha da internet”, período marcado pela ascensão e fracasso de muitas startups.
Só em 2016, ela alcançou receita de mais de US$ 844 milhões, 30% maior que em 2015 – o Brasil representa metade disso.

O site reúne uma comunidade de 174,2 milhões de usuários na América Latina e movimentou US$ 8 bilhões no ano passado.

Tudo isso fez o valor das ações da empresa dobrar no último ano. Os números impressionam, mas ainda são só uma pequena fatia do varejo total na América Latina.

O grande desafio do Mercado Livre para continuar a crescer é atrair mais latino-americanos para sua plataforma – e incentivar os consumidores que já estão lá comprarem mais.

“O crescimento deles está acima da média no Brasil, por uma associação entre os efeitos da crise econômica com a oferta de uma solução de e-commerce bem feita”, diz o presidente executivo da consultoria eBit.

Depois de anos investindo em pagamento online e em entregas, a palavra da vez no Mercado Livre é crédito.

A companhia começou nesta semana a emprestar dinheiro – em parceria com instituições bancárias – para pequenos empresários que vendem pelo site no Brasil.

Os compradores também devem entrar no radar em breve. “Muita gente não tem cartão de crédito e nem conta no banco”, diz o diretor de operações do Mercado Livre, Stelleo Tolda.

“Essa é uma grande barreira para o comércio eletrônico.”

Origem

O Mercado Livre foi fundado em agosto de 1999 por Marcos Galperín e Hernán Kazah, dois argentinos que se conheceram na Universidade de Stanford, que fica no coração do Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos.

Naquela época, a internet começava a ganhar força na América Latina, mas faltavam serviços para usar na rede.

Nos EUA, Galperín conheceu o poder do eBay, plataforma de compra e venda de produtos pela internet.

Por que não lançar algo semelhante na América Latina? Fez uma pesquisa com estudantes latino-americanos: ninguém achou que ia dar certo.

Mesmo assim, Galperín seguiu em frente. Com o plano de negócios na mão, procurou investidores.Chegou a ficar frente à frente com Warren Buffett – hoje o segundo homem mais rico do mundo -, mas não o reconheceu.

“Não tinha Google no celular ainda”, disse Galperín, rindo, durante entrevista exclusiva ao jornal O Estado de S. Paulo, concedida na sede da empresa, em Buenos Aires.

O modelo do eBay dava certo nos EUA porque havia uma série de empresas nascendo para encaixar as peças restantes do quebra-cabeça do e-commerce. Já havia empresas de meios de pagamento online, gestão de lojas virtuais, rastreamento de produtos.

Na América Latina, porém, nada disso existia.

O Mercado Livre expandiu rapidamente pela região – dois meses depois do pontapé inicial, já operava no Brasil. Hoje, está presente em 19 países.

Em apenas sete anos, fez sua oferta inicial de ações na bolsa norte-americana Nasdaq – um feito que transformou a empresa no principal caso de sucesso do ecossistema de startups latino-americano até hoje.

“Os fundadores continuam ajudando outros empreendedores a criar startups de sucesso, seja por meio de mentoria ou de investimentos”, diz Pedro Waengertner, presidente executivo da aceleradora de startups Ace.

Conglomerado

Assim, o Mercado Livre começou a resolver, aos poucos, os problemas que atrapalhavam a experiência no site: as pessoas tinham dificuldades para pagar e desistiam da compra ou fechavam o negócio e não recebiam o produto – e não voltavam ao site.

Ela criou o Mercado Pago, uma plataforma de pagamento online que, hoje, é usada em 100% das compras feitas no Mercado Livre no Brasil.

Depois, o Mercado Envios para a gestão das entregas. Em 2012, abriu sua plataforma para desenvolvedores independentes, na esperança de que ajudem a empresa a criar as “peças” que faltam.
Agora, o Mercado Livre vai dar crédito para os vendedores manterem suas lojas no site de pé, a exemplo de gigantes do e-commerce da Ásia, como o Alibaba.Em geral, esse público não consegue dinheiro nos bancos tradicionais, porque não tem toda a papelada.

Como o Mercado Livre tem acesso ao fluxo de caixa dos vendedores, poderá fazer análises personalizadas.

O crédito é contratado pelo celular no Mercado Pago, que vai concedê-lo por meio das parcerias com instituições financeiras não reveladas.

O serviço de crédito começa a operar no Brasil depois de nove meses de testes com vendedores na Argentina. Por lá, a empresa diz já ter feito milhares de operações de crédito com valor de até US$ 10 mil.

“Acho que estamos apenas começando”, afirma Galperín. “Ferramentas como o Mercado Pago podem ajudar a democratizar o dinheiro.”

Fonte: Portal Exame

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe um comentário